“MEUS BENS, TEUS BENS”: UNIÃO PARA MAIORES DE 70 ANOS GERA DISCUSSÃO

“MEUS BENS, TEUS BENS”: UNIÃO PARA MAIORES DE 70 ANOS GERA DISCUSSÃO

Regime de separação de bens agora pode ser afastado por escritura pública. Entenda como e por quê

O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu, em primeiro de fevereiro, que o regime obrigatório de separação de bens nos casamentos e uniões estáveis envolvendo pessoas com mais de 70 anos pode ser alterado pela vontade das partes. Por unanimidade, o Plenário entendeu que manter a obrigatoriedade da separação de bens, prevista no Código Civil, desrespeita o direito de autodeterminação das pessoas idosas.

Segundo a decisão, para afastar a obrigatoriedade, é necessário manifestar esse desejo por meio de escritura pública, firmada em cartório. Também ficou definido que pessoas acima dessa idade que já estejam casadas ou em união estável podem alterar o regime de bens, mas para isso é necessário autorização judicial (no caso do casamento) ou manifestação em escritura pública (no caso da união estável).

A novidade está tendo grande repercussão no meio jurídico. Para entender mais sobre essa decisão do STF o Colégio Notarial do Brasil – Conselho Federal (CNB/CF) conversou com a advogada Gabriella Villela Papaleo, integrante do escritório Blasi Advocacia de Florianópolis/SC.

“A relevância do tema não decorre somente de seu aspecto jurídico, mas também social e econômico, considerando os impactos diretos na organização da vida da sociedade brasileira e nos regimes patrimonial e sucessório. É um reflexo da mudança de expectativa de vida da população brasileira e a preservação da capacidade de discernimento dos idosos”, destacou a advogada.

O artigo 1.641, II, do Código Civil, dispõe como obrigatório o regime da separação de bens no casamento em três hipóteses: I – das pessoas que o contraírem com inobservância das causas suspensivas da celebração do casamento; II – da pessoa maior de 70 (setenta) anos; III – de todos os que dependerem, para se casar, de suprimento judicial.

Em favor da constitucionalidade do inciso II que trata sobre a pessoa maior de 70 (setenta) anos, defendeu-se que o legislador atuou com o objetivo de impedir a comunicação patrimonial em uniões familiares formadas para a obtenção de vantagem econômica, aproveitando-se da posição de vulnerabilidade da pessoa idosa.

Por outro lado, argumentou-se que, ao presumir de forma absoluta a incapacidade de maiores de setenta anos para decidir sobre o regime patrimonial aplicável às uniões familiares que contraírem, a regra acaba por interferir na autonomia desses indivíduos, sendo esse um aspecto que integra o conteúdo mínimo da dignidade humana (art. 1º, III, da Constituição Federal).

“A alteração produzirá efeitos patrimoniais apenas para o futuro. Especialmente nos casos de união estável, são inúmeras as vantagens de se formalizar o relacionamento, definindo-se o início da convivência e o regime de bens. Por meio da escritura pública, facilita-se a comprovação da união perante terceiros, assegurando além da partilha dos bens adquiridos na constância da união, todos os direitos sucessórios e previdenciários em caso de falecimento, bem como a inclusão de dependentes em planos de saúde, seguros de vida, entre outros”, acrescenta Papaleo.

Redução da Judicialização

Ainda de acordo com a advogada, com a mudança e com o crescimento das soluções negociadas na via extrajudicial, espera-se paralelamente uma redução da judicialização. “É provável que haja uma grande busca por escrituras públicas visando a fixação de um novo regime de bens em uniões estáveis com pessoas maiores de 70 (setenta) anos. Na mesma linha, deverá haver um aumento nos registros de pactos antenupciais, em que um dos cônjuges escolhe o regime matrimonial que melhor lhe aprouver, o que também é feito por meio de escritura pública perante o cartório”, completou.

Fonte: Colégio Notarial do Brasil

Mais uma lei obsoleta: proibição de sociedade entre cônjuges do art. 977 do Código Civil

Notícias

Reforma do Código Civil exclui cônjuges da lista de herdeiros necessários

REPARTINDO BENS Reforma do Código Civil exclui cônjuges da lista de herdeiros necessários José Higídio 19 de abril de 2024, 8h52 Russomanno ressalta que, além da herança legítima, também existe a disponível, correspondente à outra metade do patrimônio. A pessoa pode dispor dessa parte dos bens da...

Juiz determina que valor da venda de bem de família é impenhorável

Juiz determina que valor da venda de bem de família é impenhorável Magistrado considerou intenção da família de utilizar o dinheiro recebido para adquirir nova moradia. Da Redação terça-feira, 16 de abril de 2024 Atualizado às 17:41 "Os valores decorrentes da alienação de bem de família também são...

Cônjuge não responde por dívida trabalhista contraída antes do casamento

CADA UM POR SI Cônjuge não responde por dívida trabalhista contraída antes do casamento 15 de abril de 2024, 7h41 Para o colegiado, não se verifica dívida contraída em benefício do núcleo familiar, que obrigaria a utilização de bens comuns e particulares para saná-la. O motivo é o casamento ter...

Atos jurídicos e assinatura eletrônica na reforma do Código Civil

OPINIÃO Atos jurídicos e assinatura eletrônica na reforma do Código Civil Ricardo Campos Maria Gabriela Grings 12 de abril de 2024, 6h03 No Brasil, a matéria encontra-se regulada desde o início do século. A Medida Provisória 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, estabeleceu a Infraestrutura de Chaves...

A importância da doação com usufruto vitalício e encargos

A importância da doação com usufruto vitalício e encargos Amadeu Mendonça Doação de imóveis com usufruto e encargos como alimentos promove transição patrimonial e segurança familiar, requerendo documentação precisa e compreensão legal. quarta-feira, 3 de abril de 2024 Atualizado às 14:39 Dentro do...