ARTIGO – CONTRATO DE NAMORO: PRECISA MESMO? – MARIO PINTO CASTRO

ARTIGO – CONTRATO DE NAMORO: PRECISA MESMO? – MARIO PINTO CASTRO

Esse artigo busca informar sobre as consequências da falta e/ou da existência de um contrato de namoro por escrito.

Tornou-se intensa nos meios de comunicação, sobretudo na internet, a crítica a respeito do contrato de namoro por escrito, crítica essa que, na maioria dos casos, se faz do ponto de vista moral.

Todavia, pouca informação se apresenta quanto à real necessidade jurídica de um instrumento de contrato de namoro.

Seria mesmo necessário um contrato desse, por escrito, diante de um relacionamento amoroso?

A resposta depende do grau de risco que cada pessoa está disposta a se expor.

Ou seja, querendo ou não, namorar pode sim trazer uma série de implicações e riscos não imaginadas inicialmente pelas pessoas envolvidas no relacionamento.

Se você namora, saiba que já existe, já está valendo, e já está produzindo efeitos um contrato verbal de namoro.

E, sob o prisma jurídico, é regra elementar que um contrato existe independentemente de um instrumento escrito.

Logo, o que está em discussão é: qual a real necessidade de um contrato por escrito de namoro? A que riscos jurídicos os namorados, entre si, estarão expostos se não firmarem esse contrato por escrito?

Pode-se enumerar alguns riscos.

Se você namora e não tem contrato por escrito, estará sujeito, por exemplo, ao risco de:

1) DEIXAR HERANÇA A(O) NAMORADA(O) EM PREJUÍZO DOS FILHOS
Imagine que a pessoa que é divorciada, ou solteira, e tenha filhos e um namorado. Se ela vier a falecer, o namorado receberá herança?

Depende. Se ela nada deixou em testamento, o namorado nada recebe mas alega que convivia em união estável e não em simples namoro até o advento do falecimento.

Mas e os filhos? Se não concordarem com a tese do namorado, os filhos terão que apresentar em juízo uma contraprova de que a mãe falecida tinha um namoro e não uma união estável.

Daí é que entra a importância do contrato escrito de namoro: serve para provar em juízo que o relacionamento não era uma união estável e sim um namoro.

Namorado não herda os bens da namorada, salvo se houver testamento.

Por outro lado, companheiro em união estável herda os bens da companheira, em concorrência com os filhos, quando o caso, conforme recentes decisões dos tribunais superiores.

2) DEIXAR A PENSÃO POR MORTE DO INSS A(O) NAMORADA(O) EM PREJUÍZO DE OUTROS POSSÍVEIS BENEFICIÁRIOS
Falecendo a pessoa, aquele que com ela tinha união estável poderá, se devidamente provado, ser beneficiário de pensão por morte.

Mas se houver controvérsia quanto à existência dessa união estável, que tipo de prova os outros potenciais beneficiários, que não o namorado, poderiam utilizar para contraditá-lo e provar que não era união estável e sim namoro? O contrato por escrito de namoro seria mais uma das provas aptas a caracterizar a relação de namoro e não de união estável.

3) NÃO TER À MÃO PROVA DE NAMORO PARA FINS DE LEI MARIA DA PENHA (Lei 11.340/06)
A relação de namoro também enseja a aplicação da Lei Maria da Penha.

Logo, se uma das partes sofre violência da outra, e leva o caso para as providências da autoridade responsável, postulando pela aplicação das sanções da referida Lei, será o contrato por escrito de namoro um excelente (embora não o único) meio de prova a permitir que a autoridade competente aplique as sanções legais pertinentes à infração.
Esses são apenas alguns exemplos dos riscos que o contrato apenas verbal de namoro pode trazer.

Necessário advertir que se a pessoa de fato vive uma união estável, e não um namoro, de nada adianta o contrato por escrito de namoro para tentar afastar os direitos que legitimamente cabem em decorrência da união estável.

União estável, em suma, caracteriza-se quando os conviventes se relacionam como se casados fossem.

Mas, por uma questão de segurança jurídica e de eficiência na produção de provas, em havendo efetivamente um namoro, é sempre recomendável o contrato por escrito, que representará prova a ser utilizada em eventual litígio.

Nesse sentido, cabe ressaltar que são inúmeros os processos indeferidos por insuficiência de provas, mesmo que a parte tenha razão. Isto porque, em juízo, não basta ter razão. Em regra, é necessário provar, ao máximo, o que se alega.

E então, como se faz esse contrato?
Ele pode ser feito por escritura pública, caso em que deve ser procurado um cartório de notas, ou por instrumento particular, sendo recomendável o aconselhamento por advogado(a) de sua confiança, devidamente habilitado.

Efeitos colaterais do contrato por escrito: se o namoro terminar, deverão as partes, por certo, firmar um distrato, deixando claro que não têm mais o interesse na continuidade do relacionamento, extinguindo-o.

E se uma das partes não quiser ou não puder assinar? Restará então a possibilidade do reconhecimento judicial do término da relação e extinção do contrato de namoro, observado que mesmo diante desses efeitos colaterais, ao final, restará sacramentado que as partes, entre si, nada deverão umas às outras.

Fonte: Administradores
Extraído de Colégio Notarial do Brasil

Notícias

Bolsonaro assina decreto que extingue o horário de verão

Bolsonaro assina decreto que extingue o horário de verão 25 de abril de 2019, 12h22 Por Ana Pompeu O presidente da República, Jair Bolsonaro, extinguiu, nesta quinta-feira (25/4), o horário de verão. Ele assinou o decreto que revoga a medida em cerimônia no Palácio do Planalto, conforme havia...
Leia mais

Sancionada a Lei que cria Empresa Simples de Crédito (ESC)

Sancionada a Lei que cria Empresa Simples de Crédito (ESC) LEI COMPLEMENTAR Nº 167, DE 24 DE ABRIL DE 2019 Dispõe sobre a Empresa Simples de Crédito (ESC) e altera a Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998 (Lei de Lavagem de Dinheiro), a Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei Complementar nº...
Leia mais

ISS para sociedades de advogados deve ser por valor fixo, decide STF

ISS para sociedades de advogados deve ser por valor fixo, decide STF Publicado em 24/04/2019 - 11:41 Por Felipe Pontes - Repórter da Agência Brasil  Brasília O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (24), por 7 votos a 1, que os municípios não podem sancionar leis que...
Leia mais

As dívidas também são partilhadas no divórcio?

As dívidas também são partilhadas no divórcio? Lisiane Alves, Advogado  Publicado por Lisiane Alves há 19 horas O que acontece com as dívidas adquiridas em nome de um dos cônjuges em caso de Divórcio? Serão as dívidas partilhadas entre o casal, assim como ocorre com os bens? Bom. Tanto no...
Leia mais

Namorados, conviventes, namoridos? Afinal, o que somos?

Namorados, conviventes, namoridos? Afinal, o que somos? Para definir esta relação, de namoro ou de união estável, vários fatores e características deste relacionamento devem ser analisados Ana Lúcia Moure Simão Cury 22.04.19 17h16 - Atualizado em 22.04.19 19h41 “- Olá, tudo bem? Quanto...
Leia mais

Plano de previdência privada é impenhorável, decide TRT-2

CARÁTER DE SUBSISTÊNCIA Plano de previdência privada é impenhorável, decide TRT-2 18 de abril de 2019, 10h11 No processo, a autora pediu que fossem penhorados os planos de previdência dos sócios da devedora, já que não foram encontrados bens em nome da empresa para quitar a dívida...
Leia mais

IBDFAM: É POSSÍVEL RENUNCIAR À HERANÇA EM PACTO ANTENUPCIAL?

IBDFAM: É POSSÍVEL RENUNCIAR À HERANÇA EM PACTO ANTENUPCIAL? Publicado em: 11/04/2019 De autoria de Mário Luiz Delgado, diretor nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família – Ibdfam, e Jânio Urbano Marinho Júnior, defensor público federal, o artigo “Posso renunciar à herança em pacto...
Leia mais

Sou menor, posso me casar?

Sou menor, posso me casar? Publicado em 10/04/2019  Portal Veneza Foi sancionada no último dia 13 de março, pelo presidente da República, a lei que proíbe o casamento de menores de 16 anos. O projeto de lei que passou pela câmara e pelo senado era de autoria da ex-deputada federal Laura...
Leia mais

Agente responsável por multa de trânsito não será mais identificado

Agente responsável por multa de trânsito não será mais identificado Determinação foi publicada no DOU e tem como intuito proteger os fiscais, que podem sofrer retaliações por terem registrado uma infração Por AutoPapo02/04/19 às 21h04 Em outubro de 2017 o AutoPapo noticiou que a Resolução nº 709 do...
Leia mais

Vetada dispensa de reavaliação de aposentado portador de HIV

10/04/2019 - 14h31 Vetada dispensa de reavaliação de aposentado portador de HIV O presidente da República, Jair Bolsonaro, vetou integralmente o projeto que dispensava de reavaliação pericial a pessoa com HIV/aids aposentada por invalidez (PL 10159/18). O texto havia...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados