CCJ deve votar reajuste de causas em juizados especiais

06/09/2012 - 14h21 Comissões - Justiça - Atualizado em 06/09/2012 - 14h24

CCJ deve votar reajuste de causas em juizados especiais e incentivos à reciclagem

Simone Franco

O valor das causas aceitas pelos juizados especiais cíveis estaduais poderá aumentar de 40 (R$ 24.880,00) para 60 (R$ 37.320,00) salários mínimos. A equiparação com o limite das ações dos juizados especiais federais consta de projeto de lei (PLS 50/2012) do senador Lobão Filho (PMDB-MA), que pode ser votado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), em decisão terminativa, na próxima quarta-feira (12).

Além dessa alteração, a proposta modifica o Código de Defesa do Consumidor (CDC) para proibir a apelação a instâncias superiores da Justiça em ações individuais envolvendo relações de consumo e inferiores a 60 salários mínimos.

“Nada é mais pernicioso à sociedade que a decisão judicial deformada pelo tempo. Daí por que vejo com bons olhos tanto a elevação do valor de alçada dos juizados estaduais cíveis quanto o mecanismo que permite encerrar na primeira instância as causas movidas pelo consumidor, nas quais as condenações não ultrapassem 60 salários mínimos”, avaliou o relator, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), no parecer favorável ao PLS 50/2012.

Reciclagem

A CCJ deve analisar também proposta de emenda à Constituição (PEC 1/2012) que alivia a carga tributária aplicada a produtos feitos com material reciclado ou reaproveitado. A matéria é de iniciativa do senador Paulo Bauer (PSDB-SC), que pretende, com esse incentivo fiscal, estimular o mercado nacional de reciclagem e reaproveitamento de materiais.

O relator, senador Armando Monteiro (PTB-PE), recomendou a aprovação da proposta com ligeiras mudanças. Em vez de eliminar a incidência de todos os impostos sobre o setor, como defendia o autor, Armando Monteiro, manteve a taxação pelo Imposto de Importação (II).

Ao justificar a medida, o relator argumentou que “não se pode privar o governo federal desse importante instrumento de regulação do comércio exterior”. Em sua avaliação, a eliminação de todos os impostos incidentes neste negócio poderia agravar, por exemplo, “a importação de roupas fabricadas na China com insumos reciclados no território daquele país”.

 

Agência Senado

 

Notícias

Prazo máximo de renovação compulsória de aluguel comercial é de cinco anos

SEM ABUSO Prazo máximo de renovação compulsória de aluguel comercial é de cinco anos 14 de setembro de 2022, 8h48 Por Danilo Vital A questão toda passa pela interpretação do artigo 51 da Lei da Inquilinato. A norma diz que, "nas locações de imóveis destinados ao comércio, o locatário terá direito a...

TJSP condena pai a indenizar filha por abandono afetivo

TJSP condena pai a indenizar filha por abandono afetivo 04/09/2022 Reparação por danos morais fixada em R$ 10 mil.     Em decisão unânime, a 2ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou um homem a indenizar sua filha por danos morais em decorrência de...

Arrematadores não podem tomar posse de imóvel obtido em leilão anulado

SEM AS CHAVES Arrematadores não podem tomar posse de imóvel obtido em leilão anulado 6 de agosto de 2022, 7h31 Por Emylly Alves Então, segundo o julgador, "a alienação do imóvel aos autores não poderia ter ocorrido, pois deixou de observar as formalidades legais. Se a imissão de posse está...