Clipping – Click Paraná – Brasileiro se divorcia mais, mas não desiste do amor

Clipping – Click Paraná – Brasileiro se divorcia mais, mas não desiste do amor

O conceito de “Até que a morte os separe” vem cada vez mais sendo substituído por “Até quando durar”. É claro que ao casar ninguém está pensando em separação e os votos são de que a união seja, de fato, eterna. Porém, na prática, às vezes seguir caminhos separados é o melhor a se fazer.

Segundo dados do IBGE, a taxa de divórcios no Brasil cresceu cerca de 160% de 2010 a 2017, a maior nos últimos 26 anos. Mas antes que se pense que é porque os casamentos estão durando pouco, na verdade é uma questão de proporção: um dos principais fatores é o fato de que o número de casamentos cresceu, portanto o de divórcios também.

O judiciário que facilita
A questão judiciária também contribuiu para a pesquisa, já que no passado o processo de separação poderia levar muito tempo (anos) e ser dispendioso e, atualmente, mudanças na legislação têm permitido que ele seja mais rápido e barato. Na prática, muitos casais que entraram nesta estatística já estavam separados, mas não oficializavam o divórcio justamente por conta de desinformação e/ou burocracia. A mudança de leis vem contribuindo para uma mudança na mentalidade social também: o IBGE mostrou que a maioria dos divórcios em caso de haver filhos envolvidos, quando estes ainda são pequenos, o casal vem escolhendo a opção de guarda compartilhada, que passou a ser mais divulgada a partir de 2008. Antes, era esperado que o filho ficasse com a mulher exclusivamente, e havia inclusive uma pressão social para que ela o fizesse, pois era o esperado. Com a mulher cada vez mais envolvida com a sua carreira e ganhando mais espaço no mercado de trabalho, a procura pela guarda compartilhada aumentou.

Separação sim, mas não do amor
Apesar das explicações e dados, é interessante refletir do ponto de vista amoroso o que pensamos sobre o casamento. O casamento por séculos foi uma questão de interesses, política e social; as pessoas se casavam por convenção e era normal que algumas famílias estabelecessem com quem os filhos iriam se casar desde quando estes ainda eram pequenos. Aliás, em alguns países mais conservadores e onde a cultura e religião são mais fortes, podemos ainda encontrar essa linha de pensamento.  Neste contexto histórico, a ideia que temos do amor romântico é recente, e os conceitos que temos para construir a relação hoje em dia (companheirismo, paixão, respeito, etc) não se encaixam no modelo e propósitos para os quais a instituição foi criada. Parte pela imaginação e parte pelas qualidades que procuramos em um/a parceiro, a verdade é que o resultado cria um dilema com a realidade, sem contar que hoje em dia nossa expectativa de vida é muito maior do que no passado, portanto dividimos muito mais tempo com um/a companheiro/a. A terapeuta Esther Perel destacou para o jornal britânico The Independent que “Agora queremos que a outra pessoa seja o nosso melhor amigo e confidente, um amante eternamente apaixonado – com o “problema” de vivermos o dobro do tempo”. Como resolver essa questão então? Ela conclui que consciência e independência devem caminhar juntas, já que o casal deve compreender o papel que cada um tem dentro da relação, mas também devem procurar a felicidade fora do relacionamento, a fim de não sobrecarrega-lo com excessiva pressão.

Mas e quando a relação chega ao fim mesmo assim? Bem, isso não significa que a lição não possa ser carregada para o próximo relacionamento. De fato, os tempos definitivamente são outros, e apesar de a taxa de divórcio poder passar a impressão de que as pessoas estão com relacionamentos menos duradouros, no que se diz respeito ao brasileiro, este é um apaixonado e não desiste do amor e nem mesmo da felicidade dentro de uma relação sólida. Segundo a psicóloga Roseli Kunrich, em depoimento ao portal Gospel Prime, “Apesar do alto índice de divórcios, as pessoas seguem acreditando na instituição do casamento. Em parte, ela atribui as dissoluções a expectativas irreais e uma visão idealizada de romance, muito influenciada pelo cinema e a TV”.

A tecnologia é o novo cupido
Ainda que exista muita idealização do relacionamento ideal por parte da modernidade dos nossos tempos, pelo que a mídia mostra e pelas expectativas criadas, ao mesmo tempo a própria atualidade apresenta novos modelos de interação na procura de pretendentes. A internet é um exemplo disso, já que tem sido uma grande aliada na hora da paquera devido à popularidade ascendente de sites de relacionamento no país. Atualmente, 60% dos brasileiros utilizam sites e aplicativos de namoro como o Badoo para conhecer novas pessoas. Ainda que para 71% a intenção seja apenas a de fazer amigos, 45% estão à procura de relacionamentos casuais e 40% estão à procura de relacionamentos sérios. Os brasileiros não estão apenas mais abertos a novas formas de encontrar parceiros como também estão falando mais sobre o assunto; foi-se o tempo em que dizer que conheceu a alma gêmea pela internet era tabu. Ao invés do antigo estranhamento que seria muito comum há 10 anos atrás, por exemplo – acompanhado de muita desconfiança -, hoje em dia as pessoas têm cada vez mais visto a tecnologia como uma aliada para sair da zona de conforto e conhecer novas pessoas. Para sermos mais exatos, 7 em cada 10 brasileiros acredita que esse método é a tendência ideal. Outra razão para tal é que, mesmo depois de firmar um relacionamento, o brasileiro tem se comunicado muito mais com seu/sua parceiro/a a distância (telefone, whatsapp, etc) do que presencialmente; é uma forma prática e adequada ao cotidiano, portanto torna-se natural para ele se sentir mais a vontade com a ideia de conversar online com possíveis paqueras. Ainda assim, isso não significa que alguns padrões tradicionais não sejam levados a sério: 70% dos brasileiros acreditam que trocar mensagens de conteúdo picante e fotos sensuais é tão grave quanto uma traição de fato. Modernidade e tecnologia para paquerar sim, mas quando o assunto é infidelidade nós voltamos a valores já bem conhecidos. Aguardemos as próximas estatísticas do IBGE.

Fonte: Click Paraná
Extraído de Anoreg/BR

Notícias

Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ

PENSÃO ALIMENTÍCIA Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ 13 de novembro de 2018, 16h56 Por Gabriela Coelho “A dispensa inicial de alimentos pela convivente não invalida o acordo que fora entabulado entre as partes posteriormente". Leia em Consultor Jurídico
Leia mais

JURISTAS: GUARDA COMPARTILHADA - COMO TORNAR O PROCESSO MENOS DOLOROSO

JURISTAS: GUARDA COMPARTILHADA - COMO TORNAR O PROCESSO MENOS DOLOROSO Publicado em: 12/11/2018 Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com dados colhidos entre 1984 e 2016 indica que, no Brasil, um em cada três casamentos resulta em divórcio. E na maioria das...
Leia mais

Contratos de namoro qualificado, namoro qualificado e união estável

Postado em 08 de Novembro de 2018 - 15:31 Contratos de namoro qualificado, namoro qualificado e união estável Por conta do entendimento de que o núcleo de afeto permite o reconhecimento de uma união familiar, pessoas tem, de modo cada vez mais frequente entabulado contratos de namoro, de namoro...
Leia mais

Ameaça espiritual serve para configurar crime de extorsão

DECISÃO 09/03/2017 08:42 Ameaça espiritual serve para configurar crime de extorsão Em decisão unânime, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou que a ameaça de emprego de forças espirituais para constranger alguém a entregar dinheiro é apta a caracterizar o...
Leia mais

O sobrenome do enteado

O sobrenome do enteado          Regina Beatriz Tavares da Silva* 08 Novembro 2018 | 05h00 Em 2009, a Lei 11.924/09, também conhecida com Lei Clodovil por ser de autoria de famoso costureiro, que também foi deputado, alterou a Lei dos Registros Públicos, dando a...
Leia mais

Argentina concede certidão de nascimento sem menção de sexo

Argentina concede certidão de nascimento sem menção de sexo Publicado em: 07/11/2018 Pela primeira vez na Argentina uma pessoa obteve sua certidão de nascimento, da qual deriva toda a documentação restante, sem qualquer menção de sexo, conforme a Lei de Identidade de Gênero aprovada em 2012 no...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados