Divisão de bem entre esposa e enteado

Clipping - Direito de família

Divisão de bem entre esposa e enteado - Regras para pacto de convivência

Jornal Estado de Minas                                                                                                                                          As perguntas devem ser enviadas para o e-mail direitoejustica.em@uai.com.br

Ana Carolina Brochado Teixeira - Advogada especializada em Direito de Família e Sucessões, professora de Direito Civil no Centro Universitário UNA, diretora do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

Imóvel

Divisão de bem entre esposa e enteado

Sou casada e meu marido tem um filho de outro relacionamento. Atualmente pago um apartamento sozinha (sem ajuda do meu marido). Gostaria de saber se existe alguma forma para que meu enteado não tenha direito a esse apartamento. Sou casada em comunhão parcial de bens.

>> J.C, por e-mail

Prezada senhora,

O regime de bens que vocês escolheram implica na partilha de tudo que foi adquirido onerosamente na constância do casamento, independentemente do fato de serem os dois a custear a compra dos bens ou apenas um de vocês, segundo o que estabelece o artigo 1.660, I, do Código Civil. A lei presume o esforço comum dos membros do casal neste caso, seja de forma direta, seja indireta.

Dessa forma, o que o direito valoriza é o investimento do casal, seja patrimonial ou existencial, que pode ser por meio do suporte doméstico para que o outro se desenvolva e cresça no mercado de trabalho.

O que é possível fazer - caso seu marido tenha outros bens e o valor da meação dele no apartamento do casal seja equivalente a, no máximo 50% do patrimônio - é um testamento, destinando para você ou para um terceiro a parte dele no imóvel.

Assim, em caso de falecimento do seu marido, a parte que a lei determina ao filho fica resguardada, não recaindo sobre o imóvel adquirido por meio de esforço do casal.

União estável

Regras para pacto de convivência

Comecei a me relacionar com um homem casado e fiquei grávida. Comprei um apartamento financiado no meu nome. Ele mudou-se comigo para o apartamento e assim que o bebê nasceu se divorciou da mulher. Como faço para que, caso aconteça algo comigo, ele não fique com o apartamento, já que ele tem dois filhos maiores com a ex-esposa? Existe uma maneira de fazer um contrato, pois moramos juntos? Se nós nos separarmos, gostaria de ficar com o que comprei, e ele com o que ele comprou.

>> Sara, por e-mail

Cara Sara,

Desde a separação de fato do seu atual companheiro da sua antiga esposa, vocês vivem uma entidade familiar que a lei denomina como união estável. Nesse caso, é possível que façam um pacto de união estável ou pacto de convivência por escrito, o que pode ser feito tanto por meio de escritura pública, em cartório de notas, quanto por termo particular.

Esse contrato deverá abordar:

a) a data inicial do relacionamento de vocês, cujas características são de uma união pública, contínua, duradoura, com o objetivo de constituição de família;

b) o regime de bens escolhido e pelo que você narrou na sua pergunta, o que se adequa é o regime da separação total de bens, de modo que os bens que estejam em seu nome são apenas seus, e os que estão em nome do seu companheiro, apenas dele.

Dessa forma, você estará resguardada quanto à propriedade do imóvel, no caso de eventual separação ou mesmo de falecimento.


 

Fonte: Jornal Estado de Minas - Caderno Direito e Justiça
Publicado em 11/07/2011

Extraído de Recivil

 

Notícias

Bens alienados fiduciariamente podem ser alvo de busca e apreensão

Bens alienados fiduciariamente podem ser alvo de busca e apreensão De acordo com a decisão, o decreto-lei que permite ao credor ou ao proprietário fiduciário requerer a medida foi recepcionado pela Constituição de 1988. 24/09/2020 17h16 - Atualizado há O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF)...

MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos

LEI 14.063/20 MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos 24 de setembro de 2020, 12h22 Por Tiago Angelo A normativa (Lei 14.063/20) prevê a criação de duas modalidades de assinatura: a simples e a avançada. Clique aqui para ler a lei Confira em Consultor Jurídico

Alteração do regime de bens do casamento

Alteração do regime de bens do casamento Marina Aidar de Barros Fagundes Aqui cabe apenas um parêntesis para destacar que casamento celebrado para maiores de 70 anos enseja a aplicação do regime da separação legal, ou separação obrigatória de bens. quarta-feira, 23 de setembro de 2020 Ao se...

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr.

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr. Podemos, enfim, comemorar. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que regulará o tratamento de dados pessoais, veio, enfim, ao mundo (18/9). Porém ao estabelecer como todos nós poderemos exercer nossos direitos, ela traz em sua...

STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas

INSTRUMENTO DE COERÇÃO STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas 22 de setembro de 2020, 7h26 Por Danilo Vital Na avaliação do ministro Benedito Gonçalves, no caso, as astreintes foram transformadas em uma forma indireta de agravar a multa administrativa. Confira em Consultor...

Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos

VOTO 'CAFÉ COM LEITE' Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos 20 de setembro de 2020, 7h18 No caso julgado, o TJ-SP entendeu que o voto pode ser desconsiderado quando este for o único integrante de uma das classes de créditos do processo. Confira em Consultor...

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck Contrariando as expectativas daqueles que acreditavam que a Lei 13 709/2018 (LGPD) teria vigência a partir de janeiro de 2021, o atual cenário indica que a entrada em vigor acontecerá nos próximos dias. Do ponto de vista do titular...