Divisão de bem entre esposa e enteado

Clipping - Direito de família

Divisão de bem entre esposa e enteado - Regras para pacto de convivência

Jornal Estado de Minas                                                                                                                                          As perguntas devem ser enviadas para o e-mail direitoejustica.em@uai.com.br

Ana Carolina Brochado Teixeira - Advogada especializada em Direito de Família e Sucessões, professora de Direito Civil no Centro Universitário UNA, diretora do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

Imóvel

Divisão de bem entre esposa e enteado

Sou casada e meu marido tem um filho de outro relacionamento. Atualmente pago um apartamento sozinha (sem ajuda do meu marido). Gostaria de saber se existe alguma forma para que meu enteado não tenha direito a esse apartamento. Sou casada em comunhão parcial de bens.

>> J.C, por e-mail

Prezada senhora,

O regime de bens que vocês escolheram implica na partilha de tudo que foi adquirido onerosamente na constância do casamento, independentemente do fato de serem os dois a custear a compra dos bens ou apenas um de vocês, segundo o que estabelece o artigo 1.660, I, do Código Civil. A lei presume o esforço comum dos membros do casal neste caso, seja de forma direta, seja indireta.

Dessa forma, o que o direito valoriza é o investimento do casal, seja patrimonial ou existencial, que pode ser por meio do suporte doméstico para que o outro se desenvolva e cresça no mercado de trabalho.

O que é possível fazer - caso seu marido tenha outros bens e o valor da meação dele no apartamento do casal seja equivalente a, no máximo 50% do patrimônio - é um testamento, destinando para você ou para um terceiro a parte dele no imóvel.

Assim, em caso de falecimento do seu marido, a parte que a lei determina ao filho fica resguardada, não recaindo sobre o imóvel adquirido por meio de esforço do casal.

União estável

Regras para pacto de convivência

Comecei a me relacionar com um homem casado e fiquei grávida. Comprei um apartamento financiado no meu nome. Ele mudou-se comigo para o apartamento e assim que o bebê nasceu se divorciou da mulher. Como faço para que, caso aconteça algo comigo, ele não fique com o apartamento, já que ele tem dois filhos maiores com a ex-esposa? Existe uma maneira de fazer um contrato, pois moramos juntos? Se nós nos separarmos, gostaria de ficar com o que comprei, e ele com o que ele comprou.

>> Sara, por e-mail

Cara Sara,

Desde a separação de fato do seu atual companheiro da sua antiga esposa, vocês vivem uma entidade familiar que a lei denomina como união estável. Nesse caso, é possível que façam um pacto de união estável ou pacto de convivência por escrito, o que pode ser feito tanto por meio de escritura pública, em cartório de notas, quanto por termo particular.

Esse contrato deverá abordar:

a) a data inicial do relacionamento de vocês, cujas características são de uma união pública, contínua, duradoura, com o objetivo de constituição de família;

b) o regime de bens escolhido e pelo que você narrou na sua pergunta, o que se adequa é o regime da separação total de bens, de modo que os bens que estejam em seu nome são apenas seus, e os que estão em nome do seu companheiro, apenas dele.

Dessa forma, você estará resguardada quanto à propriedade do imóvel, no caso de eventual separação ou mesmo de falecimento.


 

Fonte: Jornal Estado de Minas - Caderno Direito e Justiça
Publicado em 11/07/2011

Extraído de Recivil

 

Notícias

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro 13 de fevereiro de 2019, 15h46 Por Rhasmye El Rafih Não obstante, as moedas virtuais são sofisticadas tecnologias desenvolvidas para favorecer transações financeiras descentralizadas e céleres, sem a necessidade de intermediação por banco ou...
Leia mais

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame Publicado em: 14/02/2019 Um herdeiro que está preso, condenado pela Justiça, perde seus direitos? Veja a resposta no vídeo de finanças pessoais, com o advogado Samir Choaib, especialista em direito sucessório.   Assista o...
Leia mais

Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria 13 de fevereiro de 2019, 10h25 Por Fernanda Valente Os dados mostram que 95,9% dos juízes ativos de primeira instância são a favor da submissão a uma corregedoria. Confira a pesquisa em Consultor...
Leia mais

A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica

REFLEXÕES TRABALHISTAS A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica 8 de fevereiro de 2019, 8h00 Por Pedro Paulo Teixeira Manus A função institucional do Poder Judiciário é dizer o direito, proporcionando a segurança jurídica aos jurisdicionados. Prossiga em Consultor Jurídico
Leia mais

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições Publicado em 07/02/2019 - 10:49 Por Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil  Brasília O Conselho Federal de Medicina (CFM) abriu prazo de 60 dias para receber contribuições relativas à Resolução nº 2.227/2018, que atualiza...
Leia mais

Plural TJMG - Direito à morte digna

Plural TJMG - Direito à morte digna Publicado em: 07/02/2019 Nos processos de doenças terminais, o que fazer até o dia de morrer? Qual é a diferença entre distanásia e cuidados paliativos? No Brasil, são proibidas as práticas da eutanásia e do suicídio assistido. Mas as pessoas podem se recusar a...
Leia mais

Câmara vai analisar criação de usinas eólicas e solares no mar

05/02/2019 - 17h21 Câmara vai analisar criação de usinas eólicas e solares no mar O Projeto de Lei 11247/18, do Senado, autoriza a implantação de usinas no mar para a geração de energia elétrica a partir de fontes eólica e solar. As plataformas poderão ser instaladas no mar territorial...
Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL - EMBARGOS DE TERCEIRO - FILHOS - LEGITIMIDADE ATIVA - SUBSCRIÇÃO DE IMÓVEL SEM A ANUÊNCIA DO CÔNJUGE E DOS DEMAIS PROPRIETÁRIOS - NULIDADE...

Publicado em: 05/02/2019 APELAÇÃO CÍVEL - EMBARGOS DE TERCEIRO - FILHOS - LEGITIMIDADE ATIVA - SUBSCRIÇÃO DE IMÓVEL SEM A ANUÊNCIA DO CÔNJUGE E DOS DEMAIS PROPRIETÁRIOS - NULIDADE - DISTINÇÃO ENTRE SUBSCRIÇÃO E INTEGRALIZAÇÃO - AÇÃO DE RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS DE EMPRESA LIMITADA - PROTEÇÃO...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados