Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos

Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos

Published 1 dia atrás em 16/09/2018 Por Susana Küster

Documentos sem o nome do pai representam mais do que a falta legal de reconhecimento paterno. Entre outros fatores, o nome traz cidadania e pode, em alguns casos, criar um vínculo entre pai, mãe e filho, mesmo que o relacionamento do casal não exista mais. Como é o caso de uma adolescente de 18 anos, que não terá o nome revelado.

A jovem, através do Instituto Paternidade Responsável, conseguiu com que o filho fosse reconhecido pelo ex-namorado. “Ele não acreditava que era o pai e, com o teste de DNA, foi comprovado. Hoje, temos um relacionamento bom por causa do nosso filho.”

O Paternidade Responsável foi criado em Lages há 14 anos e já efetuou, somente em 2017 e 2018, 159 reconhecimentos de paternidade em audiência de conciliação. A presidente do instituto, Rosana Wiggers, conta que quando uma mulher procura a entidade explicando que o pai da criança não quer registrar o filho, o instituto entra em contato com o homem. Há casos que o reconhecimento da paternidade é espontâneo. Porém, há outros, em que é preciso fazer o teste de DNA, pois o homem alega dúvida de ser o pai.

O único laboratório de Santa Catarina que faz exames de DNA de forma gratuita é o que fica na Udesc, em Lages. “Hoje, a maioria das pessoas que atendemos prefere fazer o exame de forma particular, pois demora cerca de um mês e temos parcerias com laboratórios que parcelam o valor total de R$ 350. Pois o resultado no laboratório público pode levar seis meses”.  Depois que se encaminha o pedido do teste para o laboratório e se tem o resultado, é feita uma audiência com as partes envolvidas.

Se o homem não quiser fazer o exame, o caso é encaminhado para a Justiça, que exige o procedimento. Rosana lembra que não são somente bebês e crianças que não possuem registro de paternidade. Há casos de adultos nessa situação, também. Para não escapar nenhum caso, o instituto fez uma parceria com o cartório de registro civil de Lages, que encaminha os nomes de quem não foi reconhecido.

O articulador comunitário Marciano Corrêa explica que a maioria dos casos nos quais o instituto trabalha refere-se a filhos que foram gerados em uma relação extraconjugal. “Procuramos o pai, sem que a esposa saiba para que fique a critério dele revelar ou não. Há, também, situações em que o filho foi gerado antes da relação atual do homem.”

Além do registro
O instituto não faz somente registros de paternidade, também realiza palestras nas escolas das redes estadual, municipal e particular, e, nos bairros, por meio das associações de moradores e outras entidades. “Acontece de aparecer durante estas palestras, casos de pessoas que querem o reconhecimento. Quando o pai já é falecido, os familiares são acionados”, explica Corrêa.

Fonte: Correio Lageano

 

Notícias

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro 13 de fevereiro de 2019, 15h46 Por Rhasmye El Rafih Não obstante, as moedas virtuais são sofisticadas tecnologias desenvolvidas para favorecer transações financeiras descentralizadas e céleres, sem a necessidade de intermediação por banco ou...
Leia mais

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame Publicado em: 14/02/2019 Um herdeiro que está preso, condenado pela Justiça, perde seus direitos? Veja a resposta no vídeo de finanças pessoais, com o advogado Samir Choaib, especialista em direito sucessório.   Assista o...
Leia mais

Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria 13 de fevereiro de 2019, 10h25 Por Fernanda Valente Os dados mostram que 95,9% dos juízes ativos de primeira instância são a favor da submissão a uma corregedoria. Confira a pesquisa em Consultor...
Leia mais

A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica

REFLEXÕES TRABALHISTAS A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica 8 de fevereiro de 2019, 8h00 Por Pedro Paulo Teixeira Manus A função institucional do Poder Judiciário é dizer o direito, proporcionando a segurança jurídica aos jurisdicionados. Prossiga em Consultor Jurídico
Leia mais

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições Publicado em 07/02/2019 - 10:49 Por Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil  Brasília O Conselho Federal de Medicina (CFM) abriu prazo de 60 dias para receber contribuições relativas à Resolução nº 2.227/2018, que atualiza...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados