Um em cada três casamentos termina em divórcio no Brasil

Um em cada três casamentos termina em divórcio no Brasil

Ausência de diálogo, visão de mundo diferente e a falta de bom humor no relacionamento são fatores que colaboram para o fim de um casamento

BRASIL  Daniel Cruz
26/09/2018 - 09h47 (Atualizado em 26/09/2018 - 12h37)

Origem da Imagem/Fonte: R7 - Um em cada três casamentos acaba em divórcio  iStock

Prevenir o divórcio, que assombra cada novo casamento celebrado, não só no Brasil, mas também ao redor do mundo, é um dos principais desafios da vida amorosa.

Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com dados colhidos entre 1984 e 2016 indica que, no Brasil, um em cada três casamentos resulta em divórcio.

Em países africanos, por exemplo, esse quadro é ainda mais complexo e peculiar, pois, as instituições familiares são formadas de diversas maneiras.

Entre elas, por exemplo, a matrilinear — que é quando somente a ascendência materna é valorizada —, multiétnica — quando há a união de mais de uma etnia — e a multigeracional — composta por mais de uma geração. E cada uma dessas culturas possuem suas especificidades.

Podem contribuir para o término de um casamento a ausência de diálogo, a visão de mundo diferente, a falta de bom humor no relacionamento, os objetivos de vida diferentes, são alguns dos fatores que contribuem para o fim da união conjugal. É o que aponta a psicóloga Fátima Rizzo.

“O casal para de agir como equipe e o individualismo toma conta. Um para de se interessar pelas coisas do outro, não riem mais juntos, cessam a comunicação, as discussões e as brigas se tornam constantes, o sexo se esfria. Ao final, o casamento está totalmente comprometido”, esclarece.

Fátima ainda acrescenta que caso o divórcio se torne tangível é preciso agir imediatamente, começando pelo diálogo franco e sincero com o cônjuge. Procurar por ajuda profissional também é um caminho.

Uma agradável surpresa

Essa "ajuda" veio por um meio inesperado para a sul-africana Alice Shimabwachi. Em março de 2018, ela e o companheiro, Jimmy Shimabwachi, encerraram uma união que durou 10 anos.

Origem da Imagem/Fonte: R7 - Zahara ganhou um vestido de noiva no sorteio  Divulgação

Sem saber o que se passava, a pequena Zahara, filha do casal, pediu para que a mãe comprasse um vestido de noiva na “The Wedding Expo” (“Expo de Casamento”, em português), que acontece em Joanesburgo — a cidade mais populosa da África do Sul —, e oficializasse a união com o pai  — que, naquele período, havia retornado ao seu país de origem, Zâmbia, e deixado a família.

“Meu coração quebrou instantaneamente em um milhão de pedaços e a separação — que eu garanti para mim mesma de que estava feliz —, de repente, me deixou devastada. Eu pensei: ‘Este anjo puro, que trouxemos ao mundo, agora será afetado negativamente por nossas escolhas egoístas'”, recorda-se Alice.

Zahara foi persistente e participou de um sorteio — promovido pelo livro “Bulletproof Marriage” (“Casamento Blindado”, em português, cuja autoria é de Renato e Cristiane Cardoso) — que daria como prêmio um vestido de noiva durante a feira. E ela ganhou (foto acima, com Marcia Pires e Marcelo Pires, coordenadores da equipe do livro, que atua no evento).

“Eu sinceramente acreditava que Deus estava me testando, pois, como eu poderia ganhar um vestido de casamento depois do nosso relacionamento ter terminado?”, indagou-se Alice, que chegou a pensar na hipótese de rejeitar o prêmio.

Entretanto, o que Alice não contava era que o seu companheiro retornara da viagem arrependido e queria se reconciliar, após ter lido um exemplar do livro “Bulletproof Marriage”.

Origem da Imagem/Fonte: R7 - Equipe estará presente em evento no fim de setembro  Divulgação

“Eu notei uma grande mudança nele e no nosso relacionamento. Ele mencionou para mim que aquele era o momento certo para se casar e que Deus estava falando com ele. Só então, eu divulguei a ele que ganhamos um vestido de noiva na exposição”, comemora Alice.

Desde então, o casal, que oficializou a união, garante que a família vive uma nova fase.

Sobre o trabalho de apoio aos casais da equipe do livro “Bulletproof Marriage”, Alice acrescenta: “Vocês estão mudando vidas. Vocês estão plantando grandes sementes em casamentos.”

Sobre o evento

Entre os dias 29 e 30 de setembro próximo, a equipe do livro “Bulletproof Marriage” estará presente novamente no evento, como tem feito nos últimos anos. O grupo é composto por casais que também se beneficiaram do conteúdo do livro e que, agora, desejam auxiliar outras pessoas. Ali, eles compartilham suas experiências com os frequentadores da feira.

“Ao falarem conosco e receberem um aconselhamento pré-nupcial, vemos que a visão deles se abre e isso é muito gratificante”, observa Marcia Pires.

No Brasil, para adquirir o livro “Casamento Blindado”, clique aqui.

Fonte: R7

Notícias

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro

Uso de criptomoedas não significa lavagem de dinheiro 13 de fevereiro de 2019, 15h46 Por Rhasmye El Rafih Não obstante, as moedas virtuais são sofisticadas tecnologias desenvolvidas para favorecer transações financeiras descentralizadas e céleres, sem a necessidade de intermediação por banco ou...
Leia mais

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame

Herdeiro condenado pela Justiça perde o direito à herança? - Exame Publicado em: 14/02/2019 Um herdeiro que está preso, condenado pela Justiça, perde seus direitos? Veja a resposta no vídeo de finanças pessoais, com o advogado Samir Choaib, especialista em direito sucessório.   Assista o...
Leia mais

Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Para a maioria dos magistrados, STF deve se submeter a uma corregedoria 13 de fevereiro de 2019, 10h25 Por Fernanda Valente Os dados mostram que 95,9% dos juízes ativos de primeira instância são a favor da submissão a uma corregedoria. Confira a pesquisa em Consultor...
Leia mais

A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica

REFLEXÕES TRABALHISTAS A uniformização da jurisprudência e a segurança jurídica 8 de fevereiro de 2019, 8h00 Por Pedro Paulo Teixeira Manus A função institucional do Poder Judiciário é dizer o direito, proporcionando a segurança jurídica aos jurisdicionados. Prossiga em Consultor Jurídico
Leia mais

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições

Telemedicina: CFM abre prazo de 60 dias para contribuições Publicado em 07/02/2019 - 10:49 Por Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil  Brasília O Conselho Federal de Medicina (CFM) abriu prazo de 60 dias para receber contribuições relativas à Resolução nº 2.227/2018, que atualiza...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados