Consumidores correm risco ao emprestar nome sem garantias

(Foto: Reprodução)

Consumidores correm risco ao emprestar nome sem garantias  

Sexta, 04 Outubro 2013 09:24 

Problemas vão desde pagamentos de juros maiores em novos financiamentos até penhora de bens

Emprestar o nome a terceiros pode prejudicar o consumidor que não toma nenhuma garantia com o beneficiário. Um estudo realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) no Brasil mostra que 70% dos consumidores não tomam nenhuma garantia para evitar os riscos de um calote.

Segundo o gerente financeiro do SPC Brasil, Flávio Borges, antes de emprestar o nome, é preciso fechar um contrato mútuo de gaveta ou receber cheque pré-datado ou nota promissória como garantia. Qualquer dívida assumida no nome do credor será de responsabilidade dele, mas caso o devedor não arque com os pagamentos, o credor pode protestar o contrato ou a nota promissória no cartório. Desta forma, quem empresta o nome sem ter garantias pode ser processado na Justiça e, em última instância, ter os bens penhorados até o pagamento da dívida.

"Não existe um jeito certo de se fazer algo errado, mas essas medidas ajudam a pessoa que emprestou o nome a não sair tão prejudicada e ainda, quem sabe, livrar o nome de entrar na lista do SPC", diz Borges. Mesmo que o nome sujo saia da lista do SPC depois de cinco anos, o gerente do SPC lembra que a dívida continua a existir.

Já o especialista financeiro Rafael Paschoarelli diz que a prática é caracterizada como fraude. "Isto é muito grave, pois o consumidor que está pedindo um empréstimo em seu nome está enganando a instituição financeira, que não tem como provar que, teoricamente, um terceiro pagará a dívida", afirma.

Inadimplente x adimplente

De acordo com o levantamento da SPC, a incidência de emprestar nome é maior entre os consumidores inadimplentes. Pelo menos 20% dos inadimplentes admitem ter o costume de emprestar o próprio nome a terceiros. Neste grupo, 96% reconhecem que não se resguardam contra eventuais riscos de calote, uso indevido do nome ou a possibilidade de ficar com o nome sujo. Apenas 2% afirmaram que elaboraram um contrato com o solicitante, 2% ficaram com um cheque pré-datado e menos de 1% fizeram nota promissória.

Os adimplentes são mais cautelosos. O percentual de quem empresta é bem menor e ficou em 9%. Já o índice dos que não se resguardam com nenhuma garantia também é inferior, de 69%.

"A incidência maior entre os inadimplentes era esperada, pois eles já possuem o nome sujo, impossibilitando novos empréstimos", complementa Borges. O gerente cita que os principais motivos para a solicitação do nome são para crediário em loja, empréstimo pessoal e financiamentos diversos, como o de automóveis.

Para Borges, a falta de pedidos de garantia ocorre porque os empréstimos são, em sua maioria, para pessoas próximas da família. "Ninguém pede para a mãe assinar uma nota promissória. Além disso, as pessoas desconhecem os instrumentos cabíveis", afirma o gerente do SPC.

Paschoarelli é enfático ao dizer que não se deve emprestar o nome em nenhuma circunstância. "Maior que o constrangimento de dizer não é a pessoa pedir o seu nome emprestado", defende. O especialista alerta que o nome sujo deixa o crédito fica mais restrito. Caso algum valor seja liberado, a quantia financiada será menor e terá juros maiores.

 

Fonte: Site Brasil Econômico

Extraído de Anoreg/BR

Notícias

Pontuação não pode ser lançada em CNH antes de recurso administrativo

CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA Pontuação não pode ser lançada em CNH antes de recurso administrativo 4 de maio de 2021, 7h46 Por Tábata Viapiana O magistrado embasou a decisão na Resolução Contran 619/16 e também disse ser inaplicável a penalidade enquanto os fatos não forem devidamente apurados...

Está se separando? Veja como realizar o divórcio rapidamente

Está se separando? Veja como realizar o divórcio rapidamente Por Redação -30 de abril de 20210 Todo casamento que chega ao fim precisa ser formalizado pelo divórcio, que rompe legalmente qualquer tipo de vínculo matrimonial e as demais questões referentes à união, partilha de bens, uso do nome...

Pode um herdeiro vender parte de uma herança que tem direito?

Pode um herdeiro vender parte de uma herança que tem direito? Por Gabriel Dau -8 de março de 20213 Pode um herdeiro vender parte de uma herança que tem direito antes mesmo de terminar processo que vai definir a partilha, ou seja, o inventário? Esta pergunta é até frequente de ser feita,...

A locação de imóveis por plataforma digital e o REsp 1.819.075-RS

OPINIÃO A locação de imóveis por plataforma digital e o REsp 1.819.075-RS 28 de abril de 2021, 6h35 Por Gleydson K. L. Oliveira O negócio jurídico de locação de imóvel viabilizado por plataforma digital deve ser classificado como de locação ou de hospedagem? Confira em Consultor...

Quais são os direitos de quem vive em União Estável?

Quais são os direitos de quem vive em União Estável? Por Redação -23 de abril de 2021 De acordo com o Código Civil, é considero união estável a relação de convivência entre um casal de forma contínua e duradoura, com o objetivo de constituir uma família. Além disso, não é obrigatório o...

Contrato de namoro e a pandemia da Covid-19

Contrato de namoro e a pandemia da Covid-19 Escrito por Roberta Madeira Quaranta , roberta.quaranta@defensoria.ce.def.br 05:00 / 23 de Abril de 2021. Não é novidade que a procura por contratos de namoro tem aumentado durante a pandemia, vez que os casais enamorados, embora procurem passar os longos...

O QUE É CURATELA?

O QUE É CURATELA? APRIL 22, 2021AuthorSérgio Carlos de Souza A curatela é um mecanismo de proteção para aqueles maiores de idade, que não possuem capacidade de reger os atos da própria vida. Segundo Nelson Rosenvald, grande jurista brasileiro, ela é o “encargo imposto a uma pessoa natural para...