Deputados e entidades divergem sobre juiz das garantias no novo Código de Processo Penal

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
João Campos considera razoável prazo de cinco anos para adaptação da Justiça

Deputados e entidades divergem sobre juiz das garantias no novo Código de Processo Penal

­A proposta em discussão na Câmara determina que o juiz que decide sobre culpa ou inocência será diferente do que acompanha o processo, o juiz das garantias

30/04/2021 - 17:14   •   Atualizado em 30/04/2021 - 17:17

A criação do juiz das garantias pelo novo Código de Processo Penal (PL 8045/10) dividiu opiniões entre deputados e entidades representativas de categorias profissionais do Judiciário. O tema foi objeto de audiência pública nesta quinta-feira (29) na comissão especial da Câmara dos Deputados que discute o projeto.

O juiz das garantias, segundo o texto, será responsável pelo andamento do processo – prisões cautelares, diligências, escutas telefônicas e outras provas. Quem vai definir se o réu é culpado será outro juiz. Atualmente, o mesmo juiz acompanha o processo e dá a sentença. O Congresso chegou a aprovar essa alteração no pacote anticrime, mas esse ponto foi suspenso pelo STF.

O relatório do deputado João Campos (Republicanos-GO) mantém o novo cargo, dando prazo de cinco anos para a adaptação da Justiça. Campos disse se tratar de um “prazo razoável” e reforçou que a aprovação anterior do tema pelo Congresso sinaliza maioria para aprovação do juiz das garantias no Plenário.

“Ainda nesta legislatura, em 2019, a Câmara e o Senado aprovaram a criação do juiz das garantias, sancionado pelo presidente da República. Se propusesse algo diferente, poderíamos ter a rejeição do texto e retomada do juiz das garantias no Plenário”, disse.

Najara Araujo/Câmara dos Deputados
Walter Nunes, da Ajufe, alerta para necessidade de prazo para mudança

Debates
O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, Fábio Jorge, criticou a ampliação das atribuições comuns do juiz das garantias, além de considerar insuficientes os cinco anos previstos no texto para adaptar o sistema.

“O juiz das garantias é o responsável pelo controle de legalidade da investigação e da salvaguarda de direitos constitucionais. É ele que decide sobre afastamento de sigilo bancário, fiscal e telefônico e sobre pedidos de busca e apreensão, mas não é ele que toma atitudes de ofício e se envolve de maneira aprofundada na investigação”, criticou.

Para o representante da Associação dos Magistrados do Brasil, Pedro de Araújo Yung Tay-Neto, a criação do juiz de garantias não vai trazer os resultados esperados e vai aumentar os custos do Judiciário. “O juiz das garantias trará lentidão e uma imensa dificuldade para que se possa prestar uma jurisdição de qualidade, a que o povo brasileiro tanto anseia”, disse.

A Associação dos Juízes Federais (Ajufe) é favorável à criação do novo cargo, segundo o juiz Walter Nunes da Silva Júnior. “Desde nota técnica divulgada em 2018 somos favoráveis à criação do juiz das garantias, nós apenas alertamos sobre a necessidade de um espaço temporal razoável para a mudança”, disse.

Já o representante da Associação Nacional de Defensores Públicos da União, Eduardo Kassuga, é favorável à criação imediata do juiz das garantias como ferramenta contra condenações injustas. Para ele, só assim haverá de fato a imparcialidade dos julgadores brasileiros.

“O juiz que tem contato com as evidências fica enviesado naquela versão acusatória. Quando chega na parte processual, a defesa pode fazer o que for, mas simplesmente não conseguirá convencer o juízo da inocência do sujeito”, disse.

Divergência entre deputados
O deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG) afirmou que votou a favor do juiz das garantias no pacote anticrime, mas agora defende mais tempo para a criação do novo cargo e adaptação do sistema. “Tenho simpatia pelo juiz das garantias, mas não vejo como implantar de imediato em um país da complexidade do Brasil”, disse.

Já o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) rebateu que os ganhos judiciais com o juiz das garantias superam em muito os custos de sua implantação em todo o País. Ele fez questão de destacar a suspeição de Sérgio Moro no âmbito da Operação Lava Jato como prova de que é preciso reformar o sistema judicial brasileiro.

“Não podemos ter retrocesso, o Brasil precisa do juiz das garantias, porque é uma maneira de implementar o princípio da imparcialidade do juiz, questão essa que está na agenda pública quando o STF declara a suspeição de um juiz”, disse.

O deputado Hugo Leal (PSD-RJ), no entanto, disse que o sistema judiciário brasileiro não está preparado para o juiz das garantias. “Em termos de conceito, todos nós vamos aplaudir; mas na realidade não é aquilo que nós esperamos”, argumentou.

Ele defendeu a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 89/15, que propõe a criação de juizados de instrução criminal sob a presidência de delegados de polícia.

Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Geórgia Moraes

Fonte: Agência Câmara de Notícias

 

 

Notícias

Pontuação não pode ser lançada em CNH antes de recurso administrativo

CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA Pontuação não pode ser lançada em CNH antes de recurso administrativo 4 de maio de 2021, 7h46 Por Tábata Viapiana O magistrado embasou a decisão na Resolução Contran 619/16 e também disse ser inaplicável a penalidade enquanto os fatos não forem devidamente apurados...

Está se separando? Veja como realizar o divórcio rapidamente

Está se separando? Veja como realizar o divórcio rapidamente Por Redação -30 de abril de 20210 Todo casamento que chega ao fim precisa ser formalizado pelo divórcio, que rompe legalmente qualquer tipo de vínculo matrimonial e as demais questões referentes à união, partilha de bens, uso do nome...

Pode um herdeiro vender parte de uma herança que tem direito?

Pode um herdeiro vender parte de uma herança que tem direito? Por Gabriel Dau -8 de março de 20213 Pode um herdeiro vender parte de uma herança que tem direito antes mesmo de terminar processo que vai definir a partilha, ou seja, o inventário? Esta pergunta é até frequente de ser feita,...

A locação de imóveis por plataforma digital e o REsp 1.819.075-RS

OPINIÃO A locação de imóveis por plataforma digital e o REsp 1.819.075-RS 28 de abril de 2021, 6h35 Por Gleydson K. L. Oliveira O negócio jurídico de locação de imóvel viabilizado por plataforma digital deve ser classificado como de locação ou de hospedagem? Confira em Consultor...

Quais são os direitos de quem vive em União Estável?

Quais são os direitos de quem vive em União Estável? Por Redação -23 de abril de 2021 De acordo com o Código Civil, é considero união estável a relação de convivência entre um casal de forma contínua e duradoura, com o objetivo de constituir uma família. Além disso, não é obrigatório o...

Contrato de namoro e a pandemia da Covid-19

Contrato de namoro e a pandemia da Covid-19 Escrito por Roberta Madeira Quaranta , roberta.quaranta@defensoria.ce.def.br 05:00 / 23 de Abril de 2021. Não é novidade que a procura por contratos de namoro tem aumentado durante a pandemia, vez que os casais enamorados, embora procurem passar os longos...

O QUE É CURATELA?

O QUE É CURATELA? APRIL 22, 2021AuthorSérgio Carlos de Souza A curatela é um mecanismo de proteção para aqueles maiores de idade, que não possuem capacidade de reger os atos da própria vida. Segundo Nelson Rosenvald, grande jurista brasileiro, ela é o “encargo imposto a uma pessoa natural para...