Para o TJSP herdeiro não responde por dívida do falecido sem bens

Para o TJSP herdeiro não responde por dívida do falecido sem bens

Por Elen Moreira 11/09/2020 as 11:55

Ao julgar a apelação interposta contra sentença que julgou improcedente a ação monitória diante da ausência de bens do falecido o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo manteve a decisão assentando que os herdeiros não respondem pelas dívidas além do que herdaram, mesmo que tenham dado continuidade aos negócios do de cujus.

Entenda o caso
Foi interposta ação monitória para cobrança de um cheque, sendo que a sentença foi improcedente diante da comprovação de inexistência de bens deixados pelo falecido, que foi, posteriormente, substituído pelos herdeiros.

A sentença declarou que:

Dito isso, conforme salientado na sentença atacada, os herdeiros só respondem pelas dívidas do falecido dentro das forças da herança, na proporção da parte que lhes couber. Ocorre que, uma vez já comprovada documentalmente a inexistência de bens, por força de decisão judicial (fls. 183), torna-se evidente a impossibilidade de executá-los nos limites da herança deixada, posto que herança não há.

Os autores recorreram por meio de apelação alegando que “[...] o inventário negativo somente fora distribuído 05 (cinco) meses após o falecimento do de cujus e a distribuição da ação pelos apelantes, restando claro que foi somente uma tese defensiva invocada pelos apelados para se esquivarem do pagamento do débito devido”.

Decisão do TJSP
No julgamento, a 20ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, nos termos do voto do relator Correia Lima, negou provimento ao recurso.

Isso porque entendeu que “Diante do referido pronunciamento judicial declaratório, competia aos apelantes provar a existência de bens sonegados, descobertos após a partilha ou litigiosos (art. 669 do CPC), hipótese inocorrente na espécie, tudo indicando que os herdeiros apelados não devem arcar com as dívidas do falecido Sr. L.C.S.N. diante da ausência de bens deixados pelo de cujus”.

Assim, esclareceu que mesmo que os apelados/herdeiros tenham dado continuidade aos negócios do falecido, eles não podem ser responsabilizados pelas dívidas do de cujus, considerando a ausência de bens herdados.

Pelo exposto, foi mantida a sentença impugnada. 

Número de processo 1003629-05.2019.8.26.0032

Fonte: Direito Real

Notícias

MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos

LEI 14.063/20 MP que simplifica assinatura eletrônica é sancionada com vetos 24 de setembro de 2020, 12h22 Por Tiago Angelo A normativa (Lei 14.063/20) prevê a criação de duas modalidades de assinatura: a simples e a avançada. Clique aqui para ler a lei Confira em Consultor Jurídico

Alteração do regime de bens do casamento

Alteração do regime de bens do casamento Marina Aidar de Barros Fagundes Aqui cabe apenas um parêntesis para destacar que casamento celebrado para maiores de 70 anos enseja a aplicação do regime da separação legal, ou separação obrigatória de bens. quarta-feira, 23 de setembro de 2020 Ao se...

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr.

Artigo – Estadão – Um cavalo de Troia na LGPD – Por Marcilio Braz Jr. Podemos, enfim, comemorar. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que regulará o tratamento de dados pessoais, veio, enfim, ao mundo (18/9). Porém ao estabelecer como todos nós poderemos exercer nossos direitos, ela traz em sua...

STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas

INSTRUMENTO DE COERÇÃO STJ admite multa preventiva por excesso de peso nas estradas 22 de setembro de 2020, 7h26 Por Danilo Vital Na avaliação do ministro Benedito Gonçalves, no caso, as astreintes foram transformadas em uma forma indireta de agravar a multa administrativa. Confira em Consultor...

Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos

VOTO 'CAFÉ COM LEITE' Aprovação de recuperação sem aval de credor não vale para todos os casos 20 de setembro de 2020, 7h18 No caso julgado, o TJ-SP entendeu que o voto pode ser desconsiderado quando este for o único integrante de uma das classes de créditos do processo. Confira em Consultor...

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck

Artigo – Estadão – O potencial litigioso da LGPD – Por Evelyn Weck Contrariando as expectativas daqueles que acreditavam que a Lei 13 709/2018 (LGPD) teria vigência a partir de janeiro de 2021, o atual cenário indica que a entrada em vigor acontecerá nos próximos dias. Do ponto de vista do titular...