TJMG - Jurisprudência - Ação de Usucapião

TJMG - Jurisprudência - Ação de Usucapião


APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE USUCAPIÃO - BEM PERTENCENTE AO ESPÓLIO - AUSÊNCIA DE INVENTÁRIO - PRETENSÃO DE REGULARIZAÇÃO DO IMÓVEL - IMPOSSIBILIDADE


- A usucapião é modo originário de aquisição de propriedade e de outros direitos reais que acarreta a extinção do direito para o anterior titular.


- Já pelo princípio da saisine, o sucessor causa mortis passa a possuir vínculo material que se opera de pleno direito.


- Inviável a pretensão dos requerentes de se valerem de usucapião, na tentativa de regularizar quinhões hereditários, ou, ainda, de extinguir o condomínio entre os demais herdeiros.


Apelação Cível nº 1.0470.17.006400-5/002 - Comarca de Paracatu - Apelantes: Glaciene Pereira dos Santos e outros, Agnaldo Pereira Machado - Apelados: Auto Prado Empreendimentos Imobiliários Ltda., Espólio de Maria Glaci Pereira dos Santos - Litisconsorte(s): Luciele Pires Evangelista Cruzeiro, Tatiane Pires Evangelista, Jeferson Pires Evangelista. - Relator: Des. José Américo Martins da Costa


ACÓRDÃO


Vistos, etc., acorda, em Turma, a 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, na conformidade da ata dos julgamentos, em rejeitar a preliminar e negar provimento ao recurso.


Belo Horizonte, 21 de outubro de 2021. - José Américo Martins da Costa- Relator.


VOTO


Glaciene Pereira dos Santos e Agnaldo Pereira Machado apelam da sentença (ordem 18) que, nos autos da ação de usucapião, proposta em desfavor de Auto Prado Empreendimentos Imobiliários Ltda. e outros, julgou improcedente o pedido inicial, nos seguintes termos:


``No caso, resta evidenciado que a ação deve ser ajuizada pelo Espólio de Maria Glaci e, após regularização do imóvel pela usucapião, fosse promovido o seu inventário, caso em que a irmã da primeira autora poderia fazer valer sua renúncia aos direitos hereditários a que faz jus por lei.


Ante o exposto, com fulcro no art. 487, inciso 1, do Código de Processo Civil, julgo improcedente o pedido inicial.


Custas pelos autores, ficando a exigibilidade suspensa por serem beneficiários da gratuidade judiciária.


Sem honorários advocatícios de sucumbência, haja vista a inexistência de pretensão resistida. PR.l.''


Aduz a parte apelante, em resumo, que a sentença padece de vício de fundamentação, pois o pedido inicial foi julgado improcedente, sem observar os fatos constantes nos autos.


No mérito, argumenta que sua irmã renunciou aos direitos sobre o imóvel.


Pondera que ``[...] a irmã da apelante não tem interesse na propriedade do imóvel e que, embora a Sra. Adenilza resida no imóvel usucapiendo, não tem a intenção de obter para si a propriedade dele, conforme termo de renúncia ora mencionado, vale ressaltar também que a recorrente exerceu a posse do imóvel juntamente com sua irmã, sendo assim, a apelante também possui o tempo de posse mencionado na exordial, portanto, pode a recorrente somar seu tempo de posse qual seja, com a posse dos antecessores'', f. 6 da ordem 21.


Salienta ter comprovado os requisitos necessários para a procedência da ação de usucapião.

Pede o conhecimento e provimento do recurso.


Recurso dispensado do recolhimento do preparo, em razão da concessão da gratuidade da justiça.


Sem contrarrazões.


É o relatório no necessário. Passa-se à decisão.


Juízo de admissibilidade


Analisa-se a admissibilidade do recurso, com base na Lei Processual Civil de 2015, pois a sentença foi proferida sob a égide do CPC/2015, com respaldo no enunciado 54 do Fórum de Debates e Enunciados sobre o CPC/15 deste e. TJMG:


``A legislação processual que rege os recursos é aquela da data da publicação da decisão judicial, assim considerada sua publicação em cartório, secretaria ou inserção nos autos eletrônicos.''


O Colendo Superior Tribunal de Justiça tem entendimento pacífico sobre o tema:


``Processual civil. Agravo regimental no recurso especial. Código de processo civil de 1973. Aplicabilidade. Trânsito em julgado parcial. Inexistência. Execução provisória do julgado. Multa. Art. 475-J do código de processo civil. Inaplicabilidade - Consoante ao decidido pelo Plenário desta Corte na sessão realizada em 9/3/2016, o regime recursal será determinado pela data da publicação do provimento jurisdicional impugnado. Assim sendo, in casu, aplica-se o Código de Processo Civil de 1973. [...]'' (AgRg no REsp 1258054/MG, Rel.ª Min. Regina Helena Costa, Primeira Turma, j. em 23/6/2016, DJe de 30/6/2016).


Fixada esta premissa e considerando que se fazem presentes os pressupostos de admissibilidade, conhece-se do recurso.


Preliminar.


Da nulidade por ausência de fundamentação.


Conforme relatado, os apelantes arguiram a existência de nulidade por ausência de fundamentação, sustentando ter cumprido os requisitos necessários para a procedência da ação.


Sem razão os apelantes.


O Estado Democrático de Direito tem como um de seus fundamentos a exigibilidade da fundamentação das decisões judiciais, que está disciplinada no art. 93, IX, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, segundo o qual ``todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade [...]''


Em verdade, a fundamentação é condição indispensável para legitimação da decisão judicial, no contexto do Estado Democrático de Direito, pois exige que o Magistrado considere as normas integrantes do ordenamento jurídico - reserva legal - e, necessariamente, enfrente os argumentos deduzidos no processo, capazes de, em tese, infirmar a conclusão adotada - contraditório (BRÊTAS, Ronaldo C. Dias. Processo Constitucional e Estado Democrático de Direito. 3. ed., Belo Horizonte: Del Rey, 2015. Capítulo 3, tópicos 8/9).


Como bem ressalta Daniel Amorim Assumpção Neves, ``a fundamentação não precisa ser extensa para ser uma verdadeira fundamentação'' (AMORIM, Daniel. Novo CPC Comentado, Salvador: Juspodivm, 2016. p. 808). Entretanto, é necessário que enfrente, ainda que de maneira sucinta, todas as questões cuja resolução, em tese, influencie a decisão da causa.


Ao compulsar os autos, observa-se que a sentença cumpriu com o dever de fundamentação analítica das decisões judiciais, pautando-se na prova produzida nos autos, para julgar improcedentes os pedidos iniciais.


Como não se verifica que a sentença tenha sido proferida em desobediência à norma constitucional que determina que as decisões judiciais devam ser fundamentadas, rejeita-se a preliminar arguida.


Mérito.


Insurgem-se os apelantes contra a decisão primeva que julgou improcedente o pedido inicial, haja vista a não configuração do animus domini.


Os apelantes afirmam que houve a efetiva configuração dos requisitos exigidos para o reconhecimento da propriedade do imóvel em seu favor.


Sobre a denominada usucapião extraordinária, dispõe o art. 1.238 do Código Civil que:


``Aquele que, por quinze anos, sem interrupção, nem oposição, possuir como seu um imóvel, adquire-lhe a propriedade, independentemente de título e boa-fé; podendo requerer ao juiz que assim o declare por sentença, a qual servirá de título para o registro no Cartório de Registro de Imóveis.


1 § O prazo estabelecido neste artigo reduzir-se- à 10 (dez) anos se o possuidor houver estabelecido no imóvel a sua moradia habitual, ou nele realizado obras ou serviços de caráter produtivo.''


A usucapião é um modo originário de aquisição da propriedade que acarreta a extinção do direito para o anterior titular. Tal forma de aquisição da propriedade, na verdade, independe de pronunciamento judicial, pois se opera no plano fático, mediante o cumprimento das condições previstas em lei.


Registre-se que discussões sobre a existência de justo título e boa-fé são irrelevantes no presente caso, uma vez que a espécie de usucapião requerida pela autora é a extraordinária, conforme art. 1.238 do Código Civil. Inclusive, este entendimento já foi reconhecido pelo colendo Superior Tribunal de Justiça:


``Reconhecimento de usucapião extraordinária. Requisitos. Art. 1.238 do CCB. Reforma. Reexame de provas. Análise obstada pela súmula 7/STJ. Agravo não provido - Em se tratando de aquisição originária por usucapião extraordinária, que, para sua configuração, exige um tempo mais prolongado da posse (no CC, de 16, 20 anos; no CC, de 2002, 15 anos), em comparação com as demais modalidades de usucapião, a ela dispensam-se as exigências de justo título e de posse de boa-fé. [...]'' (AgRg no AREsp 499.882/RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, j. em 24/6/2014, DJe de 1/8/2014).


Assim, são requisitos, para aquisição da propriedade por usucapião, a posse mansa e pacífica, que deve ser exercida com animus domini; o lapso de tempo, a continuidade e a publicidade. Presentes todas essas características, a posse exercida passa a ser usucapível (ad usucapionem).


No caso dos autos, a questão controvertida se refere à configuração da posse com animus domini, hábil a autorizar a declaração da aquisição da propriedade pela parte autora.


Pois bem.


Do contexto probatório dos autos, tem-se que a sentença de improcedência não merece retoque, isso porque os apelantes estão tentando, por via inadequada, regularizar o domínio do imóvel.


In casu, vê-se que a Sra. Maria Glaci Pereira dos Santos, mãe da apelante, recebeu o imóvel, objeto da lide, em 27 de abril de 1998, em razão de processo de separação.


A partir do falecimento da mãe da apelante, que ocorreu em 25 de setembro de 2002, ela e sua irmã passaram a habitar o imóvel.


Posteriormente, a apelante se casou e quem ficou residindo no bem foi sua irmã.


De fato, não há dúvidas de que o imóvel pertenceu à mãe da apelante, Sra. Maria Glaci Pereira dos Santos.


Ocorrendo o óbito da Sra. Maria, a posse foi transferida para as herdeiras, Adenilza Aparecida Pereira dos Santos e para a apelante, em observância ao princípio da saisine.


Por isso, evidencia-se que a autora é proprietária de fato, em condomínio, do imóvel que pretende usucapir.


Tratando-se posse derivada (adquirida por meio de direitos sucessórios e não exercida com exclusividade em detrimento da outra herdeira), é necessário que o espólio ajuíze a ação com ânimo de regularizar a propriedade do bem.


Como bem registrado pelo Magistrado a quo ``[...] no caso, resta evidenciado que a ação deve ser ajuizada pelo Espólio de Maria Glaci e, após regularização do imóvel pela usucapião, fosse promovido o seu inventário, caso em que a irmã da primeira autora poderia fazer valer sua renúncia aos direitos hereditários que faz jus por lei''.


Outro não é entendimento da jurisprudência em casos análogos aos dos autos:


``Apelação cível. Ação de usucapião extraordinária. Imóvel objeto de herança. Ausência de comprovação de abertura de inventário. Aquisição de direitos hereditários sobre o bem. Via inadequada. Falta de interesse de agir. Sentença mantida - A usucapião é meio de aquisição originária da propriedade pelo exercício prolongado da posse com o ânimo de dono sem sê-lo; enquanto o direito de saisine já faz dono o sucessor causa mortis por vínculo material que se opera de pleno direito (art. 1.784 do CC). - Inadequada a propositura de ação de usucapião para adquirir-se o domínio de bem objeto de herança cujo inventário não se demonstrou sequer a abertura, pois a possibilidade de registro do bem em nome da parte autora somente será possível após a finalização do inventário dos bens do proprietário do imóvel em questão, a fim de se apurar possíveis dívidas a serem suportadas pelo espólio, para então, haver a transmissão do bem para quem o couber e, em seguida, para a parte autora.'' (TJMG - Apelação Cível 1.0180.12.003308-9/001, Rel. Des. Valdez Leite Machado, 14ª Câmara Cível, j. em 22/7/2021, p. em 26/7/2021).


``Apelação cível. Ação de usucapião extraordinária. Imóvel objeto de herança. Ausência de comprovação de abertura de inventário. Aquisição de direitos hereditários sobre o bem. Via inadequada. Falta de interesse de agir. Extinção do processo sem análise do mérito. Art. 485, VI, do novo CPC. - A usucapião é meio de aquisição originária da propriedade pelo exercício prolongado da posse com o ânimo de dono sem sê-lo; enquanto o direito de saisine já faz dono o sucessor causa mortis por vínculo material que se opera de pleno direito (art. 1.784 do CC). - Inadequada a propositura de ação de usucapião para adquirir-se o domínio de bem objeto de herança cujo inventário não se demonstrou sequer a abertura, pois a possibilidade de registro do bem em nome da parte autora somente será possível após a finalização do inventário dos bens do proprietário do imóvel em questão, a fim de se apurar possíveis dívidas a serem suportadas pelo espólio, para então, haver a transmissão do bem para quem o couber e, em seguida, para a parte autora.'' (TJMG - Apelação Cível 1.0231.13.043474-0/001, Rel. Des. Adriano de Mesquita Carneiro, 11ª Câmara Cível, j. em 6/5/2020, p. em 15/5/2020).


``Ação de usucapião. Imóvel objeto de herança. Saisine. Via inadequada. Falta de interesse de agir - Nos termos do art. 1.784 do Código Civil, aberta a sucessão, a herança transmite-se desde logo aos herdeiros legítimos e testamentários. A ação de usucapião não pode ser utilizada como substitutivo da demanda de inventário.'' (TJMG - Apelação Cível 1.0216.07.049135-4/001, Rel. Des. Estevão Lucchesi, 14ª Câmara Cível, j. em 23/4/2020, p. em 5/5/2020).


Assim sendo, resta obstado o acolhimento do pedido inicial da autora, uma vez que ausentes os requisitos exigidos para a declaração da aquisição da propriedade por usucapião.


Destarte, não se verifica o desacerto da decisão a quo.


Dispositivo.


Diante do exposto, com fundamento no art. 93, inciso IX, da Constituição Federal de 1988, rejeita-se a preliminar de nulidade da sentença e nega-se provimento ao recurso, mantendo-se em sua íntegra a decisão de primeiro grau.


Custas recursais pela parte autora.


Suspensa, contudo, a exigibilidade em razão gratuidade da justiça.


Sem majoração dos honorários advocatícios, pois não houve pretensão resistida.


Votaram de acordo com o Relator o Desembargador Octávio de Almeida Neves e o JD. Convocado Ferrara Marcolino


Súmula - REJEITARAM A PRELIMINAR E NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO.


DJe
Extraído de Sinoreg/MG

 

Notícias

J.Lo ou J.Aff? Por que adotar o sobrenome do marido?

J.Lo ou J.Aff? Por que adotar o sobrenome do marido? Lúcia Soares 3 ago 2022 - 10h59 (atualizado às 13h06) Parece inacreditável, mas até 2002, ainda vigorava no Brasil uma lei, que estabelecia que o marido poderia anular o casamento e devolver a mulher à família, caso descobrisse...

O que o podcast ‘A Casa Abandonada’ ensina sobre divisão de herança

O que o podcast ‘A Casa Abandonada’ ensina sobre divisão de herança Além de causar mal-estar às famílias, litígio desvaloriza bens e é prejudicial para rentabilidade A herança de uma pessoa é a soma de todo o patrimônio conquistado ao longo da vida, como investimentos, imóveis, empresas, bens e até...

Casamento, regime de bens e sucessão entre cônjuges

OPINIÃO Casamento, regime de bens e sucessão entre cônjuges 28 de julho de 2022, 21h27 Por Paulo Eduardo Razuk e Denise Zanutto Tonelli Oliveira "INVENTÁRIO. Decisão que declarou a ineficácia da escritura pública, determinando a aplicação da Súmula 377 do E. STF. AGRAVO DE INSTRUMENTO....

Informativo de Jurisprudência do STJ destaca extinção de união estável

Informativo de Jurisprudência do STJ destaca extinção de união estável Processo: REsp 1.852.807-PR, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, Terceira Turma, por unanimidade, julgado em 10/05/2022, DJe 13/05/2022. Ramo do Direito: Direito Civil Tema: Extinção de união estável. Partilha de imóvel comum....