Consumidores poderão transferir, sem custo, passagem aérea a terceiros

O senador Wilder Morais é o autor do PLS 125/2018
Pedro França/Agência Senado

Proposta permite transferir bilhete aéreo a terceiros sem custo

  

Da Redação | 17/07/2018, 19h10 - ATUALIZADO EM 17/07/2018, 19h43

O senador Wilder Morais (DEM-GO) apresentou um projeto de lei (PLS 125/2018) para que os consumidores possam fazer, sem custo, a transferência da passagem aérea a terceiros. A proposta foi enviada à comissão de especial que analisa a atualização do Código Brasileiro de Aeronáutica.

Wilder alega que a concentração do mercado de aviação tem imposto prejuízos e burocracia aos passageiros. Segundo ele, o contrato de transporte aéreo hoje protege apenas as companhias, pois a ANAC, agência reguladora do setor, permite multas de até 100%  do valor da passagem em caso de cancelamento do voo.

"Além disso as companhias dificultam ao máximo a troca de datas e passageiros nos voos, tudo para aumentar seu faturamento sem preocupação com o cidadão", justificou no texto do projeto.

O senador lembra que um dos problemas enfrentados pelo consumidor de serviços aéreos é a vedação da transferência de bilhetes para terceiros, o que acaba por obrigar, na hipótese de um imprevisto, o cancelamento dos bilhetes e, muitas vezes, a perda da passagem.

O projeto de lei autoriza a transferência do bilhete a terceiros, desde que informada à empresa aérea com pelo menos 48 horas de antecedência do embarque. Cada consumidor não poderá requisitar a transferência de mais de 6 bilhetes por ano.

"Ressaltamos que não estamos instituindo um comércio paralelo de bilhetes, preocupação que é justificável, pois poderia resultar em um impacto negativo no mercado que, ao fim, terminaria por causar prejuízo aos próprios consumidores. Por essa razão, sugerimos a limitação da quantidade de trocas por passageiro, medida usual em diversos países para evitar a ilegal prática do cambismo", explicou Wilder.

Tramitação

Enviado para a comissão especial que analisa o novo Código Brasileiro de Aeronáutica, o projeto de Wilder Morais foi anexado ao PLS 258/2016, que trata da nova legislação. O relator é o senador José Maranhão (MDB-PB).

 

Agência Senado

Notícias

Jurisprudência mineira - Apelação cível - Anulatória de aval - Garantia prestada para a consecução da atividade empresarial - Outorga uxória - Dispensável

Jurisprudência mineira - Apelação cível - Anulatória de aval - Garantia prestada para a consecução da atividade empresarial - Outorga uxória - Dispensável Publicado em: 04/12/2018 APELAÇÃO CÍVEL - ANULATÓRIA DE AVAL - GARANTIA PRESTADA PARA A CONSECUÇÃO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL - OUTORGA UXÓRIA -...
Leia mais

Judicial ou extrajudicial?

Judicial ou extrajudicial? Gisele Nascimento Consigna ainda que o inventário iniciando judicialmente pode ser convertido em extrajudicial para evitar a demora no procedimento, caso assim, acordem os interessados. sexta-feira, 30 de novembro de 2018 Inventário pode ser definido como uma listagem de...
Leia mais

Os 10 erros de português mais cometidos pelos brasileiros

Os 10 erros de português mais cometidos pelos brasileiros Equipe de linguistas revela equívocos mais comuns em aplicativo de idiomas que ensina português também para nativos. Por BBC 31/03/2018 13h43  Atualizado há 7 meses "Vi no Facebook uma mulher dizendo que casaria com o primeiro homem...
Leia mais

Diminuir população prisional é um desafio, dizem especialistas

CONTINGENTE INJUSTIFICÁVEL Diminuir população prisional é um desafio, dizem especialistas 20 de novembro de 2018, 11h43 Na avaliação do criminalista Sergio Gurgel, a maior dificuldade no que diz respeito à questão da superlotação está na contradição dos discursos demagógicos relacionados à...
Leia mais

Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ

PENSÃO ALIMENTÍCIA Execução de alimentos antiga não deixa de ser urgente, decide STJ 13 de novembro de 2018, 16h56 Por Gabriela Coelho “A dispensa inicial de alimentos pela convivente não invalida o acordo que fora entabulado entre as partes posteriormente". Leia em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados