Juiz converte união estável em casamento

Origem da Imagem/Fonte: TJMG
O juiz Juliano Veiga celebrou a conversão de união estável em casamento de recuperandos em Januária

Juiz converte união estável em casamento em Januária

Os recuperandos cumprem pena em presídio e Apac

14/06/2018 14h59 - Atualizado em 14/06/2018 15h07

O juiz da 1ª Vara Cível, Criminal e de Execuções Penais da comarca de Januária, Juliano Carneiro Veiga, celebrou no último dia 12 de junho, a conversão de união estável em casamento de recuperandos que se encontram cumprindo pena no presídio comum e na Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Januária.

A celebração foi realizada no salão do júri da comarca de Januária. Os agentes penitenciários foram à paisana para acompanhar os presos, no intuito de favorecer um ambiente mais propício à celebração.

A Constituição da República prevê, no artigo 226, que deve ser facilitada a conversão da união estável em casamento. Em 2017, o juiz Juliano Carneiro Veiga comenta que fez mais de 150 conversões de uniões estáveis em casamento em Januária.  “Mas foi a primeira vez que tal ação de cidadania (conversão de união estável em casamento de recuperandos) foi realizada no âmbito da execução penal”, disse.

O juiz Juliano Veiga acredita que essa iniciativa contribui para a promoção da dignidade das pessoas que se encontram em cumprimento de pena, valorizando a presença das famílias no processo de recuperação e ressocialização dos apenados. A data da celebração foi escolhida por ser o dia dos namorados e termos diversas situações de convivências informais, nas quais os casais já possuem filhos, mas não oficializaram a união.

Governador Valadares

O juiz da 2ª Vara Cível e coordenador do Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania da comarca de Governador Valadares, Roberto Apolinário de Castro conduziu, em maio, 22 audiências de conversão de união estável em casamento, na igreja Universal do Reino de Deus, com apoio do pastor Cristiano Gonçalves e o advogado Denys Almeida.

Assessoria de Comunicação Institucional – Ascom
Fonte: Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG

Notícias

Mas o que vem a ser a usucapião extrajudicial?

Usucapião Extrajudicial (*) Jonas Machado Por Redação - 14 de setembro de 2018 A Lei 13.015, de 16 de março de 2015, implementou várias mudanças no Código de Processo Civil (NCPC), assim como a publicação da Lei 13.465/17, que alterou vários artigos do Código Civil no rol dos Direitos de...
Leia mais

Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos

Reconhecimento da paternidade vai além de um nome nos documentos Published 1 dia atrás em 16/09/2018 Por Susana Küster Documentos sem o nome do pai representam mais do que a falta legal de reconhecimento paterno. Entre outros fatores, o nome traz cidadania e pode, em alguns casos, criar um vínculo...
Leia mais

Senado vai votar projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos

Senado vai votar projeto que proíbe casamento de menores de 16 anos    12/09/2018, 14h29 Atualmente, jovens entre 16 e 18 anos podem se casar, desde que haja o consentimento dos pais ou responsáveis. No entanto, o Código Civil admite, excepcionalmente, a união de quem ainda não...
Leia mais

Não há ganho de capital tributável em operações de permuta de imóveis

JUSTIÇA TRIBUTÁRIA Não há ganho de capital tributável em operações de permuta de imóveis 10 de setembro de 2018, 8h00 Por Raul Haidar “Na permuta, com recebimento de torna em dinheiro, será considerado o valor de alienação somente o da torna recebida ou a receber.” Quando ambos os imóveis tiverem...
Leia mais

TRF1 - Bens Públicos não podem ser adquiridos por meio de usucapião

TRF1 - Bens Públicos não podem ser adquiridos por meio de usucapião A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, por unanimidade, negou  provimento ao recurso dos autores que objetivava a declaração da prescrição aquisitiva do imóvel em que residem, alegando que preenchem os...
Leia mais

Estado deve cumprir sua função antes de punir infratores no trânsito

MP NO DEBATE Estado deve cumprir sua função antes de punir infratores no trânsito 3 de setembro de 2018, 11h47 Por Airton Florentino de Barros Assim, antes de punir infratores no trânsito, é dever do Estado — até para cumprir sua função educativa (artigos 5º, 6º, I e 74) ­— promover a necessária...
Leia mais

Casais homoafetivos e a reprodução assistida

Quinta-feira, 30 de agosto de 2018 Casais homoafetivos e a reprodução assistida “Qualquer maneira de amor vale a pena e ninguém, nessa vida, deve ser diminuído em razão dos seus afetos. A vida boa é feita dos nossos afetos, dos prazeres e da busca pela felicidade”. Luiz Roberto Barroso “Os meus, os...
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados