Fumódromos e propaganda de cigarros em postos de venda serão proibidos

26/10/2011 23:30

Além do aumento do imposto sobre o cigarro, originalmente previsto na Medida Provisória (MP) 540/11, o relator da matéria, deputado Renato Molling (PP-RS), mudou as regras de restrições ao consumo do produto, previstas na Lei 9.294/96.

Embora tenha acabado com a possibilidade da criação dos chamados fumódromos, locais específicos para fumantes em recintos coletivos fechados, públicos ou privados, a inserção do tema na MP, aprovada nesta quarta-feira pela Câmara na forma de um projeto de lei de conversão, foi criticada por vários deputados ligados ao setor da saúde devido à pouca discussão sobre os efeitos no consumo.

Propaganda
Nos postos de venda não será mais permitida a propaganda com pôsteres, cartazes e painéis. Nesses locais, deverão ser expostas as cláusulas de advertência do Ministério da Fazenda e o preço mínimo de varejo estipulado pelo Executivo.

A partir de 1º de janeiro de 2016, além de toda a parte posterior e uma das laterais do maço, as embalagens terão de apresentar um texto de advertência adicional ocupando 30% da parte inferior da face frontal.

Estabelecimentos para fumantes
Devido a pressões de deputados de vários partidos, o relator desistiu, antes da votação da matéria, de conceder permissão aos comerciantes para abrirem estabelecimentos destinados exclusivamente ao público fumante. Esses locais seriam para maiores de 18 anos e neles poderia haver propaganda, ainda que com os avisos sobre malefícios do fumo.

Com a aprovação de um destaque do PMDB, foi retirada do texto a proibição de adicionar sabores exóticos ao cigarro, como chocolate, baunilha ou canela. O dispositivo permitiria, entretanto, os sabores mais consumidos, como mentol e cravo.

Preço novo
Inicialmente previsto para 1º de dezembro, o aumento dos cigarros foi adiado pelo governo para o início de 2012 a pedido do setor. Com o reajuste do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o estabelecimento de um preço mínimo, o cigarro subirá cerca de 20%, chegando a 55% em 2015.

Segundo o Ministério da Fazenda, o adiamento ocorreu devido às dificuldades de adaptação a um regime especial de tributação criado pela MP e regulamentado pelo Decreto 7.555/11.

Esse regime será mais vantajoso para as empresas em relação ao que existe hoje, pois, com a MP, a alíquota do IPI sobe para 300% no regime geral.

Segundo a Receita Federal, mesmo com o regime especial, a arrecadação do IPI passará dos R$ 3,6 bilhões para R$ 7,7 bilhões em 2015. Em 2012, o cigarro gerou uma arrecadação total de R$ 6 bilhões para a Receita.

Com a alíquota de 300%, o IPI corresponderá a 45% do preço final do maço de cigarros. Somado aos outros impostos (PIS, Cofins e ICMS), a carga tributária será de 81%.

No regime especial, a alíquota do IPI começa em 6% e sobe para 9% até 2015. Mas será cobrado um valor fixo também reajustado nesse período. Por esse regime, a tributação será regressiva: quanto maior o preço do maço de cigarro, menor a carga tributária sobre ele.

Se o preço no varejo for de R$ 3, por exemplo, a carga será de 72%. Se custar R$ 5, ela cai para 60%.

 

Reportagem – Eduardo Piovesan
Edição  Marcos Rossi

Agência Câmara de Notícias

 

Notícias

TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão

EFETIVIDADE DA EXECUÇÃO TJ-SP admite extinção de usufruto de imóvel arrematado em leilão 17 de outubro de 2018, 10h29 Por Tadeu Rover Segundo o processo, para fraudar a execução, o devedor simulou uma doação do imóvel aos filhos, reservando o usufruto vitalício a ele e à sua mulher. Leia em...
Leia mais

Homem deve indenizar ex-mulher por traição

Dano moral Homem deve indenizar ex-mulher por traição Juíza considerou que a infidelidade se deu com pessoa que era considerada da família e que trabalhava na empresa pertencente à autora. quinta-feira, 17 de janeiro de 2019 A juíza de Direito Clarissa Somesom Tauk, da 5ª vara da Família e...
Leia mais

Previdência para amantes: descalabro jurídico

Previdência para amantes: descalabro jurídico          Regina Beatriz Tavares da Silva* 17 Janeiro 2019 | 06h00 Em vários artigos anteriores (como aqui, aqui e aqui) já salientei a importância do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) dos Recursos...
Leia mais

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen

Artigo – É meu, seu ou nosso? – Por Marcia Dessen Evite conflitos e escolha, antes de casar, o regime da comunhão de bens Nem sempre um casal decide e planeja o casamento. Muitas vezes, acontece aos poucos, e, de repente, estão casados ou vivendo em união estável. Independentemente da forma ou da...
Leia mais

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial

O divórcio do homem mais rico do mundo e o pacto antenupcial          Lucas Marshall Santos Amaral 11 Janeiro 2019 | 04h00 Jeff Bezos e MacKenzie Bezos estão casados há 25 anos. Foi nesse período que ele se tornou o homem mais rico do mundo. Porém, a vida de...
Leia mais

Afeto como elemento basilar da relação familiar

Afeto como elemento basilar da relação familiar    10/01/19 ÀS 00:00 André Vieira Saraiva de Medeiros A família sofreu inúmeras modificações ao longo dos anos e – por consequência do processo evolutivo – a concepção de parentalidade foi extensivamente alterada, sob influência direta da...
Leia mais

A opção extrajudicial de recuperação de empresas

A opção extrajudicial de recuperação de empresas 7 de janeiro de 2019, 6h24 Por Murilo Aires Na recuperação extrajudicial não há intervenção do Ministério Público, nomeação de administrador judicial nem mesmo prazo mínimo de dois anos de supervisão judicial. Confira em Consultor Jurídico
Leia mais
Dúvidas, consulte as fontes indicadas. Todos os direitos reservados