Especialistas divergem sobre necessidade de um novo Código Comercial

Angelo Coronel (ao centro) preside comissão sobre reforma do Código Comercial, em vigor desde 1850
Geraldo Magela/Agência Senado

Especialistas divergem sobre necessidade de um novo Código Comercial

Da Redação | 05/11/2019, 14h27

Em audiência pública nesta terça-feira (5), especialistas do Direito divergiram sobre a necessidade de um novo Código Comercial, embora haja consenso sobre ser preciso modernizar as normas existentes. O debate foi realizado na comissão temporária para a reforma do Código Comercial, presidida pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA), que analisa o Projeto de Lei do Senado (PLS) 487/2013.

Uma parte dos expositores considera importante ter um novo Código Comercial para que o setor tenha mais segurança jurídica e uma força simbólica que atraia investimentos e iniciativas. Outra parte acredita que o custo de transição será muito alto e que seria melhor criar leis independentes e melhorar normas para os problemas específicos do setor. Os que defendem a renovação do Código, no entanto, também pensam que ele não deve ser muito amplo e extenso.

Para o professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, Fábio Ulhoa Coelho, o direito comercial é hoje uma fonte de imprevisibilidade, o que gera insegurança jurídica, afasta negócios, posterga investimentos, não atrai investimentos globais e encarece os preços dos produtos e serviços.

— O empresário não sabe o quanto ele pode acreditar, por exemplo, no princípio da autonomia patrimonial — disse o professor.

Para ele, embora haja uma discussão sobre se é melhor ou não ter um Código, é importante fazer modificações e a reformulação da norma em vigor é o que está mais perto de ser feito.

— Todos concordam que há algo que tem que ser feito. Em termos práticos hoje, a solução Código é que está mais próxima de se tornar efetiva — afirmou.

Para o representante da Federação do Comércio (Fecomércio) de São Paulo, Fernando Passos, o Código traz uma força simbólica para o setor, para mudança cultural e de decisões judiciais, e os princípios nele contidos poderão trazer segurança jurídica. No entanto, ele defendeu que haja um enxugamento das regras. Para ele, o setor empresarial, especialmente as pequenas e microempresas precisam dessa legislação.

— Quantos juízes até hoje não aceitam a não sucessão. Eu tenho vários casos. Na área trabalhista, todos os casos nós conseguimos a suspensão até o TST [Tribunal Superior do Trabalho], porque nós temos norma específica de UPI (unidade produtiva isolada). E a própria Justiça do Trabalho está tendo que respeitar. E é isso que queremos fazer: um Código de defesa da atividade empresarial. É a única atividade que não tem a sua própria defesa. Somente um Código Comercial poderá elevar novamente as empresas à categoria que merecem — argumentou.

Para o professor da Universidade de São Paulo (USP), Francisco Satiro, o Código Comercial não seria a melhor solução para os problemas enfrentados pelo setor. Segundo ele, há 11 anos se tenta chegar a um consenso sobre a necessidade de um Código, mas isso não significa que não se deva fazer mudanças.

— Acredito que todos nós concordamos que há o que melhorar. E eu tomo, por exemplo, a Lei de Liberdade Econômica, que, cirurgicamente, abordou questões que são questões de alto relevo. Outra coisa é simplesmente alterar o conjunto de regras para uma tentativa de sistematização, que nenhum país, nenhuma economia razoavelmente moderna fez desde a década de 50 do século passado. Então, o modelo de Código é um modelo oitocentista. É uma solução antiquada, para um problema que é novo — opinou.

O representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Júlio César Moreira Barbosa, pensa da mesma forma. Para ele, a instituição de um Código vai gerar um processo de maturação jurídica, que será demorado. O custo da insegurança jurídica será alto. Segundo ele, à indústria interessam normas que solucionem problemas específicos do setor.

— Ele [o empresariado na área industrial] quer normas de ordem prática, que facilitem, estimulem e tragam estabilidade e previsibilidade para que ele possa exercer suas atividades — afirmou

O senador Angelo Coronel disse que ouve de juristas e empresários que haverá demora para assimilar as mudanças no mundo jurídico, e, por isso, é importante fazer um Código enxuto. O presidente da comissão afirmou ainda que quer ouvir o empresariado de todas as regiões do país, porque quer que o Código favoreça os empresários, que coloque o empresariado brasileiro com vontade de investir. O senador pediu sugestões dos setores.

— Esperamos que os segmentos apresentem sugestões, para que a gente comece a lavrar pelo menos o primeiro escopo desse Código, para fazer uma discussão, juntamente com os professores e juristas — afirmou.

Segundo Angelo Coronel, haverá ainda outras audiências públicas sobre o tema até a elaboração do relatório. A comissão foi instalada no último dia 11 de setembro com o objetivo de analisar projeto de lei que disciplina a organização e a exploração de empresas nas áreas de direito societário, contratual, cambial e comercial marítimo.

 

Fonte: Agência Senado

Notícias

Imposto sobre herança pode combater desigualdades, afirma auditor fiscal

Imposto sobre herança pode combater desigualdades, afirma auditor fiscal Por Congresso Em Foco Em 03 jun, 2020 - 19:04 Última Atualização 03 jun, 2020 - 21:53 O ITCMD, tem potencial de dar aos estados a condição de sobreviverem sozinhos, "sem ficar pedindo ajuda à federação o tempo todo", segundo o...

Doações de bens feitas por idosos na pandemia poderão ser revistas

Doações de bens feitas por idosos na pandemia poderão ser revistas 03/06/2020, 13h54 Doações de bens feitas por idosos durante o período da emergência em saúde provocada pelo coronavírus poderão ser revogadas em um prazo de até um ano. É o que diz projeto de lei (PL 3.049/2020) do senador Arolde...

SC: Condomínio não pode impedir mudanças de moradores durante a pandemia

SC: Condomínio não pode impedir mudanças de moradores durante a pandemia A liminar é da juíza de Direito substituta Ana Luisa Schmidt Ramos do JEC do Norte da Ilha/SC. segunda-feira, 13 de abril de 2020     Condomínio não pode impedir mudanças de moradores durante a pandemia. Com...

Mulher trans obtém direito de ter nome no registro de nascimento da filha

Mulher trans obtém direito de ter nome no registro de nascimento da filha Defensoria Pública foi acionada em 2018 e o caso foi encerrado, com sucesso, neste mês de maio Por: Portal Folha PE em 29/05/20 às 16H09, atualizado em 29/05/20 às 16H18 Carolina*, mulher trans, ainda no ano de 2018, buscou a...

CNJ autoriza retomada de atividades presenciais a partir de 15 de junho

CNJ autoriza retomada de atividades presenciais a partir de 15 de junho Publicado por Enviar Soluções Burocráticas há 1 hora De forma gradual e sistematizada, o Judiciário brasileiro está autorizado a retomar as atividades presenciais a partir de 15 de junho. Nesta segunda-feira (1/6), o Conselho...